O que é Tarot e como funciona? Como Surgiu? Historia e Origens?

O que é Tarot e como funciona? Como Surgiu? Historia e Origens?

7 de julho de 2022 0 Por Robert Jonas Astrologo e Tarologo
Conteúdo mostrar

Artigo publicado 07/07/2022 Autor Eduardo Esquivel Tarologo e Esoterico

O Tarô é um mapa simbólico da consciência que abrange nossa jornada pela vida, tanto espiritual quanto praticamente.

A leitura de tarô é a prática de sabedoria e orientação divina através de uma distribuição específica (ou layout) de cartas de tarô. No entanto, ao contrário da crença popular, as cartas não dizem simplesmente a sua sorte, e não é preciso ser um vidente para fazer leituras de Tarot. As cartas destinam-se a fornecer informações sobre as verdades mais íntimas do seu eu superior. Em outras palavras, as cartas fornecem uma consciência evoluída do que você já conhece profundamente. A origem do Tarô é desconhecida, mas temos referências documentadas do uso de cartas de Tarô na Europa do século XIV. O Tarô é usado como oráculo, na forma básica que conhecemos hoje, desde o início do século XVII.  

 

O significado do Tarô

Existem 22 cartas dos Arcanos Maiores, que divulgam segredos maiores, e 56 cartas dos Arcanos Menores, que divulgam segredos menores e são divididas em quatro naipes. Os naipes dos Arcanos Menores incluem Paus, Espadas, Copas e Pentáculos. As quatorze cartas de cada naipe são numeradas de Ás a Dez, mais as Cartas da Corte: Pajem (Princesa), Cavaleiro (Príncipe), Rainha e Rei. Decks podem variar um pouco na nomenclatura. Os naipes e as cartas individuais nem sempre são chamados da mesma coisa, mas seus significados centrais são bastante universais. Por exemplo, em alguns baralhos, o Cavalo equivale ao Rei e não ao Príncipe. A maioria dos decks vem com um livreto que você pode usar para se familiarizar com suas especificidades. Os Arcanos Menores do Tarô simbolizam aspectos diários da vida, dando uma visão de nossos desafios, talentos, oportunidades e experiência de altos e baixos. Cada naipe representa um elemento: Varinhas são Fogo, Espadas são Ar, Copas são Água e Pentáculos são Terra. Os trajes podem refletir atitude e temperamento, como uma pessoa impetuosa ou alguém que está “no ar” ou “na terra”. Determinar o significado de um cartão depende da pergunta, do leitor, da pessoa que recebe a leitura e da colocação de outros cartões na propagação. Os Arcanos Maiores são numerados de 0 a 21, começando com O Louco e terminando com O Mundo. Essas cartas se alinham com os marcos da história da vida ou A Jornada do Heróique pode ser mais explorado com o livro de Joseph Campbell “O Herói de Mil Faces”. Nesse sentido, as cartas dos Arcanos Maiores representam as 22 fases ou passagens inevitáveis ​​de cada jornada, que todos encontraremos ao longo de nossas vidas (não necessariamente nesta ordem). Também é possível que essas fases se repitam e se repitam várias vezes ao longo da vida, criando uma natureza cíclica na qual não há verdadeiro começo ou fim.

Tipos de spreads de tarô

 

Existem muitos  tipos de spreads de Tarot . Talvez o mais clássico seja um layout de onze cartas chamado The Celtic Cross (11 cartas incluindo o Significador). Há também uma propagação da Árvore da Vida, uma propagação Planetária, a propagação dos Tetraktys e a propagação do Pentagrama, entre muitos, muitos outros. Alguns leitores gostam de fazer spreads mais simples e menores usando apenas três cartões. Um spread de três cartas pode ter muitas interpretações por si só, como passado-presente-futuro, mente-corpo-espírito ou situação-ação-resultado. A variação dos spreads de três cartas é praticamente infinita.

 

Cartas de Tarô Invertidas

As ilustrações das cartas de tarô geralmente são uma única imagem na posição vertical, ao contrário das cartas de baralho comuns que exibem uma imagem dupla voltada para cima e para baixo. Quando as cartas de tarô são coletadas e embaralhadas ou movidas, elas podem aparecer de cabeça para baixo em uma leitura. A carta de Tarot invertida pode ser interpretada de várias maneiras. Muitos acreditam que isso significa simplesmente que o significado da carta está presente em sua vida, mas seus poderes estão enfraquecidos ou bloqueados por algo. Outros acreditam que isso significa que você não está disposto a trabalhar com a energia que a carta significa. E ainda outros interpretam uma carta de Tarô invertida para significar que o oposto ou inverso do significado dessa carta está presente. Alguns livretos de baralho (como o clássico Rider-Waite) fornecem um significado oficial “invertido” junto com o principal significado divinatório de cada carta. Ao aprender o Tarot, é aconselhável manter a interpretação do lado certo, simplesmente virando a carta se ela cair de cabeça para baixo, pelo menos no início.

Qual é o melhor baralho de tarô?

Não existe um “melhor” baralho de Tarô. O Rider-Waite é um dos decks mais antigos e mais usados, com obras de arte originais que datam do início de 1900. No entanto, centenas de decks com diversos temas foram criados desde então. Você pode encontrar de tudo, desde decks baseados em ficção como Senhor dos Anéis, Alice no País das Maravilhas e My Little Pony, até outros temas como Kamasutra, Steampunk, Hollywood e até Gummy Bears (há realmente algo para todos). Baralhos mais universalmente relevantes incluem The Crowley Thoth Tarot, The Golden Tarot, The Hermetic Tarot, The Wildwood Tarot e muitos mais. Ao escolher um baralho, deixe sua intuição guiá-lo para qualquer tema e imagens que ressoem com sua alma e jornada.

0 O Louco

Quando O Louco é puxado em uma leitura, significa um momento de novos começos que requer coragem e vontade de dar um salto para um ciclo, fase ou vida inteiramente novo. O Louco encarna um desejo de aventura, cheio de admiração e inocência juvenil.

Eu O Mago

O Mago é o mestre da comunicação e do tempo. Quando você puxa The Magician, reflete um momento para fazer as coisas acontecerem usando o poder de sua mente, palavras, voz e capacidade de compartilhar suas ideias. É hora de fazer sua própria mágica.

II A Sacerdotisa

Puxe a Alta Sacerdotisa e aceite o convite para o seu eu mais profundo. A Alta Sacerdotisa é intuição, autoconfiança e o domínio da paisagem lunar subconsciente. Ela o lembra de confiar em sua intuição e sintonizar sua sabedoria e recursos internos.

III A Imperatriz

Quando a Imperatriz aparece, você invocou a Mãe Terra, que é um símbolo da capacidade de dar e receber amor e nutrir em um equilíbrio saudável. A Imperatriz está confortável em seu corpo, desfruta de prazeres sensuais e usa sua criatividade para criar o mundo.

IV O Imperador

Quando você puxa o Imperador, você está no reino do poder pessoal e da capacidade de liderança. Ele reflete sua capacidade de assumir o comando com coragem e iniciar projetos. O Imperador muitas vezes aparece quando é hora de ser seu próprio chefe de alguma forma ou se mudar para o banco do motorista.

V O Hierofante

O Hierofante é a carta espiritual de aprendizado e ensino e pode nos colocar cara a cara com as crenças, religião e tradições que adotamos. Ele pode significar um momento de crescimento espiritual ou iniciação, e um mentor ou professor pode entrar em sua vida.

VI Os Amantes

A carta dos Amantes é a arte do relacionamento, dentro e fora de nós. É a união de opostos, aproximando duas coisas, e pode refletir a necessidade de fazer uma escolha ou decisão entre duas situações ou duas pessoas. The Lovers pede que você observe como você se aproxima, escolhe e se entrega ao amor.

VII A Carruagem

Quando a Carruagem aparece, a mudança e o movimento estão em andamento. Este é um momento para o progresso vitorioso, avançando de maneiras que se alinham com quem você é e como deseja ser no mundo. A Carruagem representa a casa que se move, que pode ser uma realocação física.

VIII Força

Estamos todos aprendendo a equilibrar nossa natureza animalesca primitiva com nossos eus socialmente civilizados, e a Força é esta fase de nossa evolução. Quando você puxa Força, você é chamado a expressar sua paixão, instintos e criatividade. Vitalidade renovada e entusiasmo pela vida esperam por você.

IX O Eremita

Segurando a Estrela da Esperança em sua lanterna, O Eremita representa sua sabedoria interior e a capacidade de iluminar seu próprio caminho. Você pode estar entrando em um tempo de solidão e reflexão que revelará os próximos passos em tempo perfeito. Explore seus mundos internos tirando um tempo das distrações externas.

X A Roda da Fortuna

A Roda gira em direções afortunadas para aqueles que acreditam e permitem que o movimento os leve a novas oportunidades. Quando você puxar a roda, esteja aberto ao avanço e à prosperidade. Esteja disposto a entrar no desconhecido, o lugar onde a “sorte” na forma de algo novo é possível.

XI Justiça

Quando a Justiça se mostra, você está em uma fase de equilíbrio e realinhamento. É hora de se pesar e liberar um pouco da bagagem que você acumulou que o mantém fora do centro. A justiça quer harmonia em todas as áreas da vida – relacionamentos, saúde, finanças e trabalho.

XII O Enforcado

Em uma leitura, O Enforcado mostra a necessidade de ver as coisas de uma nova perspectiva, portanto, penduradas de cabeça para baixo. Quando você puxa esta carta, você está pronto para entregar algo e quebrar velhos padrões. É hora de ver através de suas ilusões.

XIII Morte

A morte é a carta do renascimento que vem quando você deixa ir o que já está morto. Esta não é tipicamente a carta da morte física, é um convite para se desprender do peso morto que você está carregando e se transformar em uma nova fase da vida. Desta forma, você se regenera poderosamente.

XIV Temperança

Quando você puxa a Temperança, você está passando, ou prestes a passar por um período de integração – as coisas estão se encaixando. Às vezes, pode parecer que muito pouco está acontecendo do lado de fora, mas por dentro, você está alquimizando e criando algo novo que logo se expressará.

XV O Diabo

O Diabo parece tirar sarro de nós e esta carta é de fato um lembrete para não levar a vida tão a sério. Somos nós que nos amarramos com expectativas, julgamentos e medo. Embora O Diabo possa ser um aviso para assumirmos a responsabilidade por nossos desejos e impulsos terrenos, é igualmente um lembrete para rirmos de como nós nos “assombramos”.

XVI A Torre

Hora de derrubar o que não está funcionando, limpar os escombros e construir algo novo. A Torre é um alerta. Você tem o poder de desfazer qualquer coisa que não esteja alinhada com seu verdadeiro desejo, natureza e propósito. É hora de renovar sua vida.

XVII A Estrela

Quando você puxar a estrela, sinta a renovação da vida que uma nova perspectiva e esperança trazem. Você está sendo lembrado de seu valor na sociedade e como você brilha intensamente em suas próprias maneiras únicas. Aproveite esse tempo de cura, principalmente da sua autoestima. Você pode receber reconhecimento público.

XVIII A Lua

A Lua o chama para abraçar o mistério e tudo o que você não pode raciocinar ou definir. Às vezes, quando a Lua aparece em uma leitura, você não terá clareza imediatamente. Pode não ser a hora de saber a resposta. Você pode ser chamado às profundezas de sua alma, onde surgem imagens e sentimentos para interpretação.

XIX O Sol

Quando você puxar o The Sun, o princípio da cocriação, prepare-se para brilhar de maneiras que inspirem e motivem os outros. Assim como o Sol em nosso sistema solar fornece calor e luz, você também é um sol para os outros no planeta. Deixe de lado as coisas que deixam você se sentindo esgotado. Siga seu coração e junte-se a outras pessoas que fazem você se sentir animado por estar vivo.

XX Julgamento

Julgamento em uma leitura destaca a importância de empregar o bom julgamento, com uma perspectiva ampla, justiça e objetividade. Pode ser hora de olhar para o seu relacionamento com o próprio julgamento. Tudo isso serve como um caminho para o renascimento ou despertar, para que você possa emergir transformado. Você pode estar pronto para seguir um novo chamado.

XXI O Mundo

Seu trabalho duro valeu a pena! Quando O Mundo aparece para você, você chegou ao fim de um ciclo, o que significa inerentemente que você também está começando um novo. E este novo ciclo é a compreensão e a experiência de que tudo é um. Todas as cartas do Tarô culminam no Mundo. É a totalidade de tudo; totalidade. Você é ilimitado em sua capacidade de compartilhar seus dons com o mundo, viajar e participar plenamente da dança cósmica.

Saiba mais sobre o Tarô

Quer saber mais sobre a leitura de Tarot e o significado das cartas?

O Que São Cartas De Tarô E Como Elas Funcionam?

Quando digo às pessoas que  leio e ensino cartas de tarô para viver , uma das primeiras perguntas que me fazem é:  “O que são cartas de tarô e como elas realmente  funcionam?”

Agora, a resposta a essa pergunta pode ser diferente, dependendo de quem você pergunta e como eles se conectam pessoalmente com as cartas do Tarô. Isso porque o Tarot é simplesmente uma ferramenta e, como acontece com todos os tipos de ferramentas, como você o usa depende completamente de você.

No entanto, porque você está aqui, no Biddy Tarot, quero lhe dar minha versão de como acredito que o Tarot funciona e como você pode usá-lo para obter acesso instantâneo à sua intuição e sua fonte interior de poder e sabedoria.

O Que  São Cartas De Tarô ?

O Tarot é um baralho de 78 cartas, cada uma com suas próprias imagens, simbolismo e história. As 22 cartas dos Arcanos Maiores  representam as lições cármicas e espirituais da vida, e as  56 cartas dos Arcanos Menores  refletem as provações e tribulações que vivenciamos diariamente.

Dentro das cartas dos Arcanos Menores, existem  16 Cartas da Corte de Tarô  representando 16 características de personalidade diferentes que podemos escolher expressar a qualquer momento. Os Arcanos Menores também incluem 40 cartas numeradas organizadas em 4 naipes, com 10 cartas cada, representando diversas situações que encontramos no dia-a-dia.

O Que As Cartas De Tarô Podem Fazer?

Alguns podem dizer que as cartas de tarô são simplesmente tinta no papel. No entanto, o que descobri lendo as cartas do Tarô diariamente por mais de vinte anos é o seguinte:

O Tarot é o livro de histórias da nossa vida, o espelho da nossa alma e a chave da nossa sabedoria interior.

Cada lição espiritual que encontramos em nossas vidas pode ser encontrada nas setenta e oito cartas do Tarô. E quando consultamos o Tarô, nos são mostradas as lições exatas que precisamos aprender e dominar para viver uma vida inspirada. É como segurar um espelho para si mesmo para que você possa acessar sua mente subconsciente. O Tarot nos permite explorar a sabedoria e as respostas que vivem em todos nós.

Como Posso Usar As Cartas De Tarô?

O Tarô é perfeito para o autodesenvolvimento, fazer escolhas, manifestar objetivos, treinar outras pessoas, planejar um negócio, escrever um livro, meditar – você escolhe.

Então,  Como  Exatamente  Funcionam As Cartas De  Tarô ?

Embora muitas pessoas acreditem que o Tarô lhe dirá o futuro, fazer previsões não é realmente o que as cartas de Tarô tratam.

Quando se trata de Tarô, a adivinhação está fora e a intuição está dentro, especialmente se você deseja criar seu futuro ideal e manifestar seus objetivos.

A maneira mais poderosa de ler o Tarô é usar as cartas para acessar sua intuição e sua sabedoria interior. As imagens nas cartas dão acesso instantâneo à sua mente subconsciente e à sua intuição. E a partir deste lugar de poder interior e sabedoria, você pode descobrir como fazer mudanças positivas  agora  para que possa manifestar seus objetivos e seus sonhos no futuro.

Por Exemplo…

Digamos que você queira encontrar um novo relacionamento romântico. Em vez de puxar uma carta para prever se o Príncipe Encantado está ao virar da esquina e ficar alegremente excitado ou amargamente desapontado, você consulta as cartas para descobrir  como  pode atrair o amor (e mantê-lo!). Você desenha o  Dez de Copas e, ao ver a família feliz dançando sob o arco-íris na carta, você é lembrado de que, para atrair amor, você precisa definir uma visão clara do que deseja atrair.

Esse simples ato de visualizar o relacionamento desejado tem um efeito sutil, mas poderoso, em sua capacidade de encontrar um novo amor e, em vez de esperar que alguém o encontre, você tem o poder de agir e encontrá-lo.

Criando Uma Conexão

É como se as cartas do Tarô criassem uma conexão instantânea com nossas mentes subconscientes para que pudéssemos acessar a sabedoria interior do nosso Eu Superior. E a partir daí podemos trazê-lo para nossa consciência, onde podemos agir. Legal né!?

E aqui está a coisa – você já pode saber conscientemente a mensagem ou insight que você recebe em uma leitura de Tarot, nesse caso, a leitura pode ser uma confirmação animadora do que você já sabe. Ou você pode estar completamente inconsciente da mensagem até vê-la refletida nas cartas, caso em que agora você está habilitado a agir com base em sua nova consciência.

Como  Funcionam As Cartas De Tarô  Ao Ler Para Os Outros?

Até agora, você sabe que o Tarô é uma ferramenta poderosa para autodescoberta e manifestação. Mas, isso não explica bem o que acontece quando você está lendo para outra pessoa e percebe que ela está namorando alguém vinte anos mais novo e não contou a ninguém sobre isso (história verdadeira!). O que está acontecendo lá?

Nossa Sabedoria Universal E Interior

Bem, aqui é onde as coisas podem ser um pouco mais “lá fora” e mágicas. Você vê, estamos todos conectados a uma sabedoria coletiva e universal e nossa sabedoria interior. E quando lemos as cartas do Tarô – e nos conectamos com nossa intuição – podemos acessar essa sabedoria universal. É um pouco como se conectar com a mente coletiva, não apenas com a mente individual.

Fazendo Perguntas Para Os Outros

Quando você faz uma pergunta às cartas do Tarô em nome de outra pessoa (que deu permissão para a leitura e cuja energia está investida na leitura), você está explorando essa sabedoria coletiva. Você está captando todos os tipos de mensagens intuitivas através das cartas do Tarô e através de sua conexão com a sabedoria coletiva. E esses insights são canalizados através de você para a pessoa para quem você está lendo, muitas vezes de uma maneira muito poderosa.

Então, imagine o que pode ser possível para você – e para as pessoas para quem você lê – com esse conhecimento ilimitado e atemporal ao seu alcance!

 

Agora que você sabe o que é Tarot e como o Tarot funciona, convido você a pegar suas cartas de Tarot, conectar-se com sua intuição e não apenas prever seu futuro,  crie  seu futuro. Faça mágica, meu amigo!

Onde surgiu o Tarot de Marselha, veja essa entrevista completa com o Renomado descendente PHILIPPE CAMOIN sobre as origens

ORIGENS DO TARÔ DE MARSELHA

entrevista de OLIVIER ZAHM

Qual ano foi criado o tarot de marselha?

1859
O termo “Tarô de Marselha” é utilizado pela primeira vez em 1859 nos escritos de Roman Merlin; em sua obra – Origem das cartas de jogar 1793 – 1876 ,em seguida é utilizada pelo ocultista francês Papus (Gérard Encause) no Capítulo IX do seu livro Le Tarot des bohémiens (O Tarô dos Boêmios)

Em 1760 Nicolas Conver gravou seu famoso TAROT DE MARSELHA em sua fábrica. PHILIPPE CAMOIN, descendente da Casa, deu continuidade à tradição, restaurando o Tarô de Marselha após anos de pesquisa histórica colaborativa com Alejandro Jodorowsky.

OLIVIER ZAHM — Sua família publica o Tarô de Marselha, em Marselha, há décadas.
PHILIPPE CAMOIN — Sim, temos, há gerações. Oficialmente, a fábrica de Camoin remonta a 1760. Nicolas Conver, que fundou o negócio da nossa família, era um mestre em fazer cartões e era um gravador para a corte do rei.

OLIVIER ZAHM  — Quais são as origens do Tarô de Marselha?
PHILIPPE CAMOIN — As origens históricas e geográficas são complexas. Os historiadores geralmente concordam que o Tarô saiu da Itália do século XIV. Mas Alejandro Jodorowsky e eu descobrimos que o Tarô de Marselha surgiu no primeiro século e não no século 13 ou 14.

OLIVIER ZAHM  — Isso deve ter demandado muita pesquisa.
PHILIPPE CAMOIN — Sim, anos e anos de pesquisa. Eu tive que aprender sobre cada civilização, cada religião. Eu até encontrei uma conexão com a Igreja Copta Ortodoxa, sediada no Egito durante os primeiros séculos do cristianismo. Consegui até provar que há uma ligação com Maria Madalena. Estou publicando um livro de 600 páginas sobre o assunto.

OLIVIER ZAHM — Foi a explosão humanista do Renascimento italiano que de alguma forma trouxe o Tarot para os holofotes?
PHILIPPE CAMOIN — Sim, é um pouco como os Evangelhos Apócrifos, que desapareceram da face da Terra por volta do século V e ressurgiram no início do século XX. Durante o Renascimento, o Tarô era muito popular, mas mais como um jogo do que por suas imagens esotéricas. Havia muita gente interessada no Tarot durante o Renascimento, mas isso não significa que o Tarot foi criado durante o Renascimento.

OLIVIER ZAHM — As pessoas daquela época também usavam o Tarô apenas para adivinhação, ou havia outros usos para as cartas?
PHILIPPE CAMOIN – Os historiadores pensam que eles foram usados ​​para adivinhação mais tarde, por volta do século 19.

OLIVIER ZAHM — Você acha que o Tarô também tem uma função esotérica?
PHILIPPE CAMOIN — O Tarô fornece suporte mental e alegórico para projeção e meditação. Ele permite que uma conexão com o divino seja feita.

OLIVIER ZAHM — Mas também funciona pelo simples fato de uma pessoa escolher uma carta, convocando o jogo de azar.
PHILIPPE CAMOIN — Para mim, o Tarô é uma máquina de leitura do futuro, capaz também de decifrar a psique da pessoa cujas cartas estão sendo lidas. Mas, na minha opinião, não é apenas um fenômeno psicológico, é paranormal. Eu diria até que é um fenômeno divino.

OLIVIER ZAHM — Como você abordou a restauração do baralho de Tarô original?
PHILIPPE CAMOIN — Restituímos um mundo inteiro de símbolos que faltavam, que aos poucos foram sendo eliminados ou simplificados. Não foi apenas uma
pesquisa iconográfica, foi a restauração de todo um sistema alegórico, que Alejandro Jodorowsky considera uma máquina metafísica. Eu penso nisso como um computador cósmico.

OLIVIER ZAHM — Em que sentido?
PHILIPPE CAMOIN — No sentido de que é um conjunto de símbolos e alegorias que se unem através das cartas. Os especialistas em tarô pensavam que os 22 arcanos maiores eram totalmente independentes uns dos outros.

OLIVIER ZAHM — Como você descobriu que eles estavam ligados um ao outro?
PHILIPPE CAMOIN — Tenho formação em ciências e matemática. Ao comparar cartas originais de diferentes períodos, tornou-se evidente que havia estruturas complexas que ligavam as cartas umas às outras e que se assemelhavam a estruturas matemáticas. Há muita coisa acontecendo – a proporção áurea, por exemplo, a proporção que foi usada para construir as catedrais, as pirâmides e outras estruturas. Há também elementos que se assemelham à teoria matemática dos conjuntos. E há rebuses mais complexos que combinam signos, alegorias, símbolos e outros fenômenos. Ao juntar esses elementos aparentemente heterogêneos, percebe-se uma relação entre as cartas que revela códigos que antes eram totalmente desconhecidos. Assim, ao longo de vários anos trabalhei na montagem de todos os Tarots Europeus que pude encontrar. Eu os coloquei em um banco de dados de computador e os sobrepus em camadas no Photoshop, usando ferramentas de transparência e cópia. Comparei todas as linhas, até o milímetro – todos os símbolos e motivos. Comparar tantos baralhos não é uma tarefa simples — existem milhares de combinações possíveis para cada carta. Eu precisava saber tudo sobre esoterismo para distinguir entre o que era significativo na tradição mística e o que não era.

OLIVIER ZAHM — Você parece discordar da maioria dos historiadores do Tarô sobre suas origens.
PHILIPPE CAMOIN — Discordamos totalmente dos historiadores que pensam que o Tarô de Marselha se tornou o que é em etapas sucessivas, que se desenvolveu pouco a pouco, acrescentando-lhe símbolos gradualmente ao longo do tempo. Partimos da hipótese exatamente oposta. Pensamos que no início do cristianismo havia um baralho perfeito que perdeu alguns de seus símbolos esotéricos ao longo das gerações.

OLIVIER ZAHM — Foi a transição para as prensas de impressão e outras técnicas de reprodução simplificadas que causaram a perda desses símbolos?
PHILIPPE CAMOIN — Sim, de uma dinastia de mestres de cartas para outra! Quando chegou a hora de redesenhar um baralho, os mestres de cartas fizeram novas matrizes. Para isso, usavam um baralho de referência, mas quando não conheciam o significado esotérico de um símbolo – talvez um detalhe – o reproduziam sem entendê-lo e, aos poucos, às vezes até o eliminavam.

OLIVIER ZAHM  — Você pode nos dar um exemplo disso?
PHILIPPE CAMOIN — Claro. Na carta da Temperança, na parte inferior do vestido do anjo, há duas cobras enroladas, uma comendo a outra. Os baralhos que representavam o símbolo em sua totalidade haviam desaparecido. Em um baralho você pode encontrar um pouco de cobra na parte inferior do vestido, mas todos pensaram que era parte da bainha do vestido. Tive a ideia de fazer transparência de um baralho de Marselha, um baralho de Lyon, um baralho de Besançon, um baralho da Renânia e um baralho de Avignon. Eu os sobrepus e todo o símbolo foi reconstituído. Um significado real foi encontrado para este símbolo esotérico, e você o encontrará ecoado em outras cartas, no chapéu de Le Bateleur, por exemplo.

OLIVIER ZAHM  — De acordo com você, então, o Tarô surgiu de forma quase perfeita no início da era cristã, e essa forma foi diminuindo à medida que o conhecimento sobre ele diminuía e era reproduzido.
PHILIPPE CAMOIN — Sim, da mesma forma que os hieróglifos foram perdidos — e certamente na mesma época, pois era quando o Império Romano lutava contra os cultos pagãos. Ao destruir cultos heréticos por volta do ano 391 dC, os romanos eliminaram a ciência dos hieróglifos. Mas remonta ao primeiro século – nos dez ou mais códigos esotéricos que revivi, há símbolos relacionados ao culto de Maria Madalena. Por exemplo, se você combinar a carta Julgamento e a carta Mundo, uma nova imagem será gerada. Ambos contêm a representação de uma mulher. Os historiadores pensavam que a mulher no oval no meio do mundo arcano era andrógina, então eles a identificaram com a figura de Cristo por causa das quatro criaturas circundantes que simbolizam os quatro elementos, o anjo, o touro, a águia e o leão. Os historiadores pensaram que era Cristo, parecendo uma mulher, e concluíram que era andrógino. Mas comecei com uma hipótese diferente. Comecei a pesquisar a cidade de Marselha,
onde Maria Madalena viveu por 30 anos. Quatorze anos após a crucificação, ela se refugiou perto de Marselha, onde viveu em uma caverna.
Tentei aprender que tipo de tradição esotérica tinha Marselha. Fiquei sabendo da Ordem de São Vitor, que foi fundada no século V – logo após o banimento dos Evangelhos Apócrifos – e foi extremamente poderosa no século XI. Esta ordem maçônica cristã secreta foi inteiramente dedicada a Maria Madalena.
Na carta do Mundo, o oval com as quatro criaturas era tradicionalmente usado para representar um santo, não Cristo. Especificamente, envolve uma mulher nua. Estudei o panteão dos santos nus, e na Europa Maria Madalena é a única! Maria Madalena é famosa porque testemunhou a ressurreição de Cristo, e se você juntar a carta do Julgamento e a carta do Mundo, poderá ver a mulher, Maria Madalena, olhando para a ressurreição.

OLIVIER ZAHM  — Então, você pode traçar o Tarô e seu emaranhado simbólico até uma tradição cristã herética.
PHILIPPE CAMOIN — Sim, mas qual exatamente? Os primeiros cristãos eram muito diferentes dos cristãos de hoje. Há todo um ensinamento cristão que foi transmitido do Egito. Alguns fragmentos foram encontrados com os Manuscritos do Mar Morto e com o Evangelho de Tomé. Este ramo do cristianismo era extremamente puro, refugiando-se no Egito, mas foi caçado pelo Império Romano, a partir do ano 400. Naquele ano, um Papa alexandrino traiu sua herança e se associou ao Império Bizantino para a caça aos eremitas que viviam no deserto egípcio. Era um cristianismo muito diferente do catolicismo que se desenvolveu na Europa ocidental, aquele que foi imposto pelo Império Romano. Finalmente chegou a Marselha no ano de 415, quando Cassiano trouxe o cristianismo egípcio para a Provença.

OLIVIER ZAHM  — Então o Tarô de Marselha sempre foi um segredo, senão uma heresia.
PHILIPPE CAMOIN — Sim, todos sentem que há algo oculto e proibido no Tarô de Marselha.

OLIVIER ZAHM  — O mistério ressurgiu com o humanismo do Renascimento italiano?
PHILIPPE CAMOIN — Sim, graças aos iniciados que conheciam os segredos esotéricos do Tarô. Mas eles ainda não conheciam todos os códigos. Eles sabiam que Maria Madalena tinha filhos — era um segredo aberto.

OLIVIER ZAHM  — Isso tudo poderia ser apenas uma versão mais fantasmagórica do cristianismo?
PHILIPPE CAMOIN — Bem, é completamente herético. Não há dúvida sobre isso. Os monges que se interessaram por ela foram obrigados a ser católicos; eles não tinham escolha,
então eles transmitiram todo um corpo de conhecimento, incluindo o do Tarô, em segredo, mas nunca falaram sobre isso.

OLIVIER ZAHM  — O que aconteceu com o Tarô no início do século XIX? Tornou-se laico? Perdeu seu conteúdo esotérico e se tornou um instrumento divinatório popular?
PHILIPPE CAMOIN – Não, porque a mania popular por isso realmente aconteceu na segunda metade do século 20. No entanto, foi muito difundido entre os ciganos e videntes. Não estava na moda como hoje, quando todo mundo quer ensinar seus amigos a ler as cartas.

OLIVIER ZAHM — Isso é semelhante ao fascínio mais ou menos consciente por uma tradição esotérica que perdeu seus fundamentos espirituais.
PHILIPPE CAMOIN – Mas esses fundamentos ainda estão lá, prontos para serem despertados a qualquer momento.

Um pouco mais da Historia

O Tarô de Marselha

O primeiro Tarot de Marselha (TdM) moderno que conhecemos foi impresso por Pierre Madenie de Dijon em 1709. Este baralho era quase idêntico aos seus precursores, o Noblet e o Dodal. Em 1736, Chosson de Marselha imprimiu o que viria a ser o protótipo para a maioria dos baralhos posteriores. Em meados de 1700, baralhos quase idênticos aos de Chosson estavam sendo produzidos na França, Bélgica e Suíça. O baralho de Chosson tornou-se a mãe de todos os TDM contemporâneos em 1760, quando Nicolas Conver de Marselha copiou um baralho de Chosson diretamente em seus blocos de madeira. O Conver TdM tornou-se o deck padrão na França e é o modelo para a maioria dos TdMs populares usados ​​hoje.

 Variantes do Tarô de Marselha

Embora os cartões do Papa e Papesse fossem alegorias respeitosas da Igreja, 18 Os oficiais da Igreja do século XX os consideravam blasfemos e obrigavam os fabricantes de cartões em algumas áreas a substituir esses cartões por outras imagens. Em meados dos anos 1700, o fabricante de cartas Vandenborre de Bruxelas imprimiu um baralho típico de estilo flamengo (descrito na página anterior), mas com o capitão espanhol (ou capitão Fracasse), um personagem arrogante da Commedia del’Arte, substituindo o Papesse. Baco montado em um barril de vinho tomou o lugar do Papa. Os baralhos Besancon impressos na Suíça usavam Júpiter e Juno como cartas de substituição. O distinto baralho bolonhesa substitui a Imperatriz e o Imperador, bem como o Papa e Papesse com os quatro Reis Mouros. A Igreja evidentemente não viu a ironia de ter figuras religiosas substituídas por personagens pagãos.

Tarot de Marseille in Italy

 Nos anos 1700, o TdM retornou ao local de nascimento do Tarot no norte da Itália, onde evoluiu para os estilos Lombardia e Piemontês. Os primeiros baralhos italianos eram idênticos ao TdM, completos com títulos franceses com erros ortográficos. Com o tempo, eles adquiriram títulos italianos, tornaram-se duplas e assumiram alguns recursos de design exclusivos.

Carlo Della Rocca, de Milão, projetou um baralho primorosamente gravado em 1835, conhecido como Soprafino, que se tornou o baralho milanese por excelência. Algumas de suas imagens únicas incluem o Diabo sentado em chamas e cercado por monstros verdes se contorcendo; uma lagosta vermelha em uma bandeja de prata na carta da Lua; e um jovem casal dançando no cartão do sol. As duras cartas da corte do TDM adquiriram trajes elaborados, expressões faciais vivas e personalidades individuais. Os cartões pip são decorados com graciosas folhas, flores e fitas.

Taroque

No final dos anos 1700, os jogadores de cartas mudaram para o baralho Tarock em todos os lugares, menos na Itália. Inventado na Alemanha, o Tarock se espalhou rapidamente pela Europa Central e Escandinávia e, no século 20, substituiu o TDM onde quer que o jogo de tarô ainda fosse jogado. Os baralhos de Tarock usam naipes franceses (copas, paus, espadas e ouros). Os trunfos são de duas cabeças e têm imagens decorativas como animais, cenas rurais ou bailarinas que não têm relação com os trunfos tradicionais do Tarot. Enquanto o Tarot de Marselha permaneceu estático, os baralhos de Tarock, liberados das imagens tradicionais do tarô, tornaram-se um veículo de expressão criativa.

Após a década de 1780, os baralhos para jogos e os baralhos para adivinhação e estudos esotéricos seguiram caminhos separados. O tradicional TdM com seus trunfos medievais e naipes italianos de espadas, bastões, xícaras e moedas, gradualmente se tornou um resquício antiquado agarrado à vida em algumas regiões onde os jogadores se penduravam em seus baralhos tradicionais. O leste da França foi um dos últimos lugares a converter para os novos baralhos de Tarock. Isso deu aos ocultistas franceses do século XVIII a oportunidade de  adotar o TdM como seu, preservando o tradicional baralho TdM do esquecimento histórico.